03/11/2008

É ANTICIENTÍFICO ACREDITAR EM DEUS?


Alguns talvez achem que, quanto mais os cientistas aprendem, mais se distanciam de qualquer conceito sobre Deus. É verdade que muitos na comunidade científica fazem pouco caso da fé. Um número considerável de cientistas, porém, fica profundamente impressionado com evidências de que houve um planejamento consciente da natureza ao nosso redor. Já outros, maravilhados com tal planejamento, vão além e começam a refletir sobre o Planejador.

Mudanças de conceito

A teoria da evolução de Charles Darwin é amplamente aceita já por um século e meio. Pessoas instruídas talvez esperassem que, nos tempos modernos, apenas os ignorantes e os ingênuos acreditariam em Deus. Mas nada parecido com isso aconteceu. Muitos cientistas professam abertamente acreditar num Criador. É verdade que talvez não acreditem nem em Deus como pessoa nem na Bíblia. No entanto, eles estão convencidos de que o projeto evidente na natureza indica a existência de um Projetista inteligente.

Esses cientistas podem ser considerados ingênuos? Falando sobre cientistas que acreditam que o Universo e a vida nele resultam dum planejamento inteligente, uma resenha no The New York Times comentou: “Eles têm doutorado e ocupam cargos importantes em algumas das universidades de maior prestígio. Seus argumentos contra o darwinismo não se baseiam na autoridade das Escrituras; antes, baseiam-se em argumentos científicos”.

O mesmo artigo também mencionou que os que apóiam a idéia dum planejamento inteligente “não fazem quaisquer afirmações que sejam claramente desarrazoadas... O que eles negam é que a prevalecente teoria darwiniana - ou qualquer outra teoria ‘naturalista’ que se limita a causas mecânicas e irracionais, cujo funcionamento acontece de maneira gradual com o passar do tempo — seja suficiente para explicar a essência da vida. Afirmam que existem muitas provas de planejamento inteligente no mundo biológico, indicando como quase certa a intervenção de um Projetista inteligente”.

Por incrível que pareça, essa maneira de pensar é bem comum entre os cientistas. Por exemplo, um estudo divulgado em 1997 revelou que 4 em cada 10 cientistas americanos acreditavam em Deus como pessoa. Essa proporção havia permanecido praticamente sem alteração desde 1914, quando foi realizada uma pesquisa similar.

É compreensível que essa proporção seja menor em países onde prevalece um ponto de vista mais secular, como por exemplo, nos países da Europa. No entanto, o jornal britânico The Guardian noticiou que “o nível de crença religiosa é maior entre os profissionais das ciências exatas, como física e geologia, e menor entre os profissionais de ciências sociais, como a antropologia”. Acrescentou: “O Reino Unido tem organizações como Cristãos na Ciência.” O jornal também observou que na Grã-Bretanha “o número de estudantes de ciências que freqüentam a igreja é bem maior em proporção do que os estudantes de belas-artes”.

Mesmo assim, parece que a maioria dos cientistas faz pouco caso da idéia de um Criador. Seu desprezo exerce forte pressão sobre os colegas. O astrônomo Allan Sandage explica que “há certa relutância em revelar ser alguém que acredita em Deus”. Por que se dá isso? “A humilhação”, diz ele — a desaprovação e a censura dos colegas — “é muito severa”.

Em resultado disso, os cientistas que se atrevem a sugerir que a ciência não necessariamente entra em choque com a crença num Criador sentem que suas vozes são suprimidas por conceitos mais céticos.

Entre os cientistas e os acadêmicos de destaque que declaram publicamente seu apoio à idéia de “um Projetista inteligente” estão Phillip E. Johnson, que leciona jurisprudência na Universidade da Califórnia, em Berkeley; o bioquímico Michael J. Behe, autor do livro A Caixa Preta de Darwin O Desafio da Bioquímica à Teoria da Evolução; o matemático William A. Dembski; o filósofo de lógica Alvin Plantinga; os físicos John Polkinghorne e Freeman Dyson; o astrônomo Allan Sandage; e vários outros, numerosos demais para se alistar.

Por que alguns cientistas acreditam em Deus

A CIÊNCIA está constantemente desvendando novos segredos sobre o Universo e sobre a vida abundante em nosso planeta. Contudo, tanto cientistas como leigos se confrontam com as seguintes questões fundamentais: Como o Universo veio à existência? O que existia antes de sua formação? Por que parece que o Universo foi especialmente projetado para sustentar a vida? Como se originou a vida na Terra?

A ciência ainda não conseguiu resolver essas questões, e alguns duvidam que algum dia isso será possível. Portanto, muitos se sentem induzidos a reconsiderar seus conceitos e crenças. Vamos analisar três incógnitas que levam alguns cientistas a se perguntar sobre a existência de um Criador.

A perfeita harmonia do Universo é obra do acaso?

Uma questão de grande importância tem a ver com a perfeita harmonia do Universo. Por que o Universo está equipado com leis físicas imutáveis, que estão ajustadas de modo exato e perfeitas para sustentar nosso planeta e toda a vida que há nele?

O que se quer dizer com perfeita harmonia? Veja, por exemplo, o ajuste perfeito das quatro forças físicas fundamentais: o eletromagnetismo, a gravidade, a força nuclear forte e a força nuclear fraca.* Essas forças afetam toda a matéria no Universo, e estão ajustadas e equilibradas de modo tão exato que mesmo variações mínimas poderiam tornar a vida impossível.

Questões que intrigam os cientistas

A força nuclear fraca mantém constante a velocidade da queima do hidrogênio no Sol

A força nuclear forte mantém coeso o núcleo dos átomos

A gravidade é responsável por manter os objetos na Terra

O eletromagnetismo é a força que causa o raio

Se estas quatro forças não estivessem em perfeita
regulagem e equilíbrio, a vida não seria possível.

* Por que existe um surpreendente grau de harmonia entre as quatro forças físicas fundamentais, tornando possível a existência do Universo e a vida nele?

* Como se explica a complexidade extrema, e em muitos casos irredutível, dos organismos vivos?

* Por que o registro fóssil é incompleto e onde está a evidência de organismos intermediários, ou elos, entre os grupos principais de seres vivos?

Para muitas pessoas de reflexão, a explicação disso deve ser algo mais do que uma simples coincidência. John Polkinghorne, físico que trabalhava na Universidade de Cambridge, chegou à seguinte conclusão: “Quando você se dá conta de que as leis da natureza precisam estar em perfeita harmonia para produzir o Universo visível, isso o leva a concluir que o Universo não apareceu simplesmente, mas que deve haver um objetivo por trás disso”.

O físico australiano Paul Davies usou um argumento similar. “Sem dúvida, muitos cientistas. . . desdenham da noção de que pode existir um Deus, ou mesmo um princípio criativo impessoal.” Ele acrescentou: “Pessoalmente, não compartilho de seu desdém. . . . Não posso crer que a nossa existência no Universo seja um mero golpe do destino, . . . um acidente no grande drama cósmico.”

O desafio da complexidade:

Um segundo problema que constitui um desafio para os cientistas hoje em dia é a grande complexidade do mundo em nossa volta. O bom senso nos diz que, quanto mais complexo o acontecimento, menos provável que este ocorra por acaso. Considere um exemplo.

Na formação do DNA, o bloco de construção da vida, há uma enorme quantidade de reações químicas que precisam ocorrer com absoluta exatidão. Em 1969, o Dr. Frank Salisbury, da Universidade Estadual de Utah, EUA, calculou a probabilidade de se formar espontaneamente uma molécula de DNA básica essencial para o surgimento da vida. Seus cálculos revelaram que a probabilidade é ínfima, considerada até impossível do ponto de vista matemático. (Como base para seus cálculos, ele supôs que a molécula de DNA tenha tido a oportunidade de evoluir por meio de reações químicas naturais em 100 quintilhões (1020, ou 1 seguido de 20 zeros) de planetas que oferecessem condições de sustentar a vida, durante um período de 4 bilhões de anos. Quais seriam as chances de se formar uma única molécula de DNA? Segundo seus cálculos, uma em 10415(1 seguido de 415 zeros)!

A complexidade se torna evidente em especial quando organismos vivos possuem partes complexas que seriam inúteis sem outras partes complexas. Vamos usar a reprodução como exemplo.

De acordo com as teorias evolucionistas, os seres vivos continuaram a se reproduzir à medida que se tornaram cada vez mais complexos. No entanto, em algum estágio, a fêmea de diversas espécies precisou desenvolver células reprodutoras, que precisaram ser fertilizadas por um macho com células reprodutoras complementares. A fim de fornecer o número apropriado de cromossomos à descendência, as células reprodutoras de cada genitor passam por um processo notável chamado meiose, mediante o qual as células de cada genitor ficam com a metade do número costumeiro de cromossomos. Esse processo impede que a descendência tenha cromossomos a mais.

Naturalmente, esse mesmo processo seria necessário para outras espécies. Como foi então que a “primeira mãe” de cada espécie foi capaz de se reproduzir com um “primeiro pai” plenamente desenvolvido? Como os dois conseguiram de modo inesperado dividir em duas partes iguais o número de cromossomos de suas células reprodutoras, da forma necessária para reproduzir uma descendência saudável com traços de ambos os genitores? E se as características que tornam esse processo possível se desenvolveram de forma gradual, como o macho e a fêmea de cada espécie sobreviveram, sendo que essas características vitais ainda não haviam sido completamente formadas?

A probabilidade de essa interdependência reprodutora acontecer por acaso, até mesmo numa única espécie, é impossível de calcular, e a possibilidade de ter surgido em muitas espécies está além de uma explicação razoável. Será que um processo teórico baseado exclusivamente na evolução consegue explicar tal complexidade? Como poderiam acontecimentos aleatórios, que ocorreram por acaso, sem um objetivo específico, resultar nesses sistemas complexos e inter-relacionados? Os seres vivos são dotados de peculiaridades que evidenciam presciência e planejamento — evidenciando a existência de um Projetista inteligente.

Muitos estudiosos chegaram a essa conclusão. Por exemplo, o matemático William A. Dembski escreveu que o “planejamento inteligente”, manifesto nos “aspectos observáveis do mundo natural. . . só pode ser devidamente explicado se o atribuirmos a uma causa inteligente”. A bioquímica, tem feito com que seja cada vez mais difícil ser um cientista de reflexão e acreditar nessa teoria.”

Como poderiam forças do acaso produzir algo tão complexo como uma simples célula e seu DNA, sem falar no ser humano?


Registro fóssil inconsistente.

A terceira evidência que deixa os cientistas perplexos tem a ver com o registro fóssil. Se a evolução ocorreu durante períodos extremamente longos, era de esperar que fossem encontrados muitos fósseis de organismos intermediários, ou elos, entre os principais grupos de seres vivos. No entanto, os incontáveis fósseis descobertos desde a época de Darwin têm causado decepção nesse respeito. O “elo perdido” realmente faz jus ao seu nome — está perdido mesmo!

Portanto, vários cientistas concluíram que as evidências a favor da evolução são demasiadamente fracas e contraditórias. O engenheiro aeroespacial Luther D. Sutherland escreveu em seu livro Darwin’s Enigma (O Enigma de Darwin): “A evidência científica indica que sempre que qualquer espécie básica de vida surgia na Terra, desde protozoários monocelulares até o homem, cada forma de vida era completa, e seus órgãos e estruturas, inteiramente funcionais. A conclusão inevitável a ser tirada desse fato é que havia algum tipo de inteligência antes de surgir a vida na Terra.”

Por outro lado, o registro fóssil se assemelha bem de perto à ordem geral em que as formas de vida apareceram, conforme o relato do livro bíblico de Gênesis. O físico-químico Donald E. Chittick, que fez doutorado na Universidade Estadual do Oregon, EUA, comentou: “Um exame lógico mais profundo do registro fóssil levaria qualquer um a concluir que os animais se reproduziram segundo a sua espécie, conforme declarado em Gênesis. Não mudaram de uma espécie para outra. A evidência atual, assim como nos dias de Darwin, concorda com o registro de Gênesis, que aponta para a criação direta. Animais e plantas continuam a se reproduzir segundo a sua espécie. De fato, o conflito entre a paleontologia (estudo dos fósseis) e o darwinismo é tão grande que alguns cientistas começam a acreditar que as formas intermediárias jamais serão encontradas.”


Reconheça a evidência

O que foi considerado até aqui representa apenas a ponta do iceberg de todas as perguntas sem resposta e que intrigam os que rejeitam a evidência de um Criador. Alguns cientistas dão-se conta de que rejeitar a Deus é um caminho escolhido não por evidência sólida e lógica cuidadosa, mas por apego a conjecturas e especulações.

Portanto, depois duma vida inteira de pesquisa e trabalho científicos bem-sucedidos, o astrônomo Allan Sandage comentou: “Foi o estudo da ciência que me fez chegar à conclusão de que o mundo é muito mais complexo do que a própria ciência pode explicar. É somente por meio do sobrenatural que consigo entender o mistério de tudo que existe.”

Como vimos, há um grande número de cientistas instruídos e bem-conceituados afirmando que a evidência indica a existência de um Projetista ou Criador. Alguns vão um pouco mais além. Eles questionam a integridade científica de seus colegas que rejeitam automaticamente a existência de Deus.

A modéstia e a integridade também são raras entre os líderes religiosos. Afinal, onde fica a integridade quando se afirma que a Bíblia ensina o que na realidade não ensina? Onde fica a modéstia quando se colocam conceitos pessoais e tradições favoritas acima dos ensinamentos da Bíblia? É exatamente isso o que muitos criacionistas têm feito. Por exemplo, muitos criacionistas afirmam que o Universo inteiro foi criado em seis dias literais de 24 horas, cerca de 6.000 anos atrás. Com ensinos como esse, eles deturpam a Bíblia, cujo relato diz que Deus criou os céus e a Terra.

“No princípio” — em algum tempo não especificado, antes de terem começado os “dias” criativos mais específicos. (Gênesis 1:1) Significativamente, o relato de Gênesis mostra que a expressão “dia” é usada em mais de um sentido. Em Gênesis 2:4, o inteiro período de seis dias, descrito no capítulo anterior, é mencionado como sendo apenas um dia. É claro que não eram dias literais de 24 horas, mas longos espaços de tempo. Cada um desses períodos evidentemente durou milhares de anos.

Muitas vezes, quando falam sobre fé, os instrutores religiosos estão igualmente equivocados. Alguns parecem sugerir que a fé significa acreditar piamente em algo para o qual não existe evidência sólida. Para muitas pessoas de reflexão, isso não passa de credulidade. A Bíblia define a fé de maneira bem diferente: “A fé é a expectativa certa de coisas esperadas, a demonstração evidente de realidades, embora não observadas.” (Hebreus 11:1) Portanto, a fé genuína não é mera credulidade, mas baseia-se em evidência sólida, numa certeza racional.


Como vimos, a ciência pode ser uma ferramenta útil para nos ajudar neste respeito. Quanto mais aprendemos sobre a complexidade e a ordem existentes no Universo, mais razões há para reverenciarmos Aquele que projetou tudo isso. Alguns cientistas são receptivos a essas evidências e consideram-nas convincentes. Sem dúvida, podem dizer que a ciência os ajudou a conhecer a Deus. Outros cientistas, pelo que parece, não serão convencidos, não importa quantas evidências sejam apresentadas. E você?

A ordem no mundo vivo é muitíssimo evidente. Foi estabelecida por uma Força superior que eu pessoalmente chamo de Deus. É nesse sentido que a fé está de acordo com a verdade científica e a completa, em vez de contradizê-la, fornecendo um entendimento mais simples do Universo.

JEAN DORST, BIÓLOGO, FRANÇA

A complexidade da natureza indica claramente que existe um Criador. Cada sistema físico e biológico, quando compreendido, mostra incrível complexidade. JOHN K. G. KRAMER, BIOQUÍMICO, CANADÁ

Publicado em Despertai! de 22 de junho de 2004

3 comentários:

Contos toscos disse...

Ou o universo como o conhecemos é a maior "cagada" que poderia existir ou pode haver algo maior acima disso as duas teorias podem ser aceitas o mundo pode ser tanto uma evento de acasos de coisas que se juntam e fazem outras coisas e acabam aumentando e ficando mais complexas a ponto das proteinas formarem o dna ou o mundo funcionar em equilibrio como é hoje ou um velinho barbudo invisivel criou tudo como conhecemos atraves da tentativa e erro foi fazendo tudo como sabemos o que tambem pode ser provado
se pensarmos bem o que o mundo é? terra,arvores,pedra,e o orkut...? como sabemos o que nos cerca seu pé é o seu pé? ou não? a biblia diz que deus criou o mundo e o homem a ciencia discorda sera que a ciencia cre em deus e nao sabe? acha que o velinho barbudo nao existe enqunto ele ri dos cientistas e joga mais um raio em cima da grafica da scientific american? é possivel
Ps e acredito em deus disse velinho barbudo para deixar engraçado
vizitem meu blog: http://contostoscos.blogspot.com/

arouca_andre disse...

só q não t^o d acordo c/ a opinião do tosco!por q ter em partes; o q é simplesmente teorias!qe alguns da ciencia afirma! o que pela parte boa da ciençia tambem se prova q temos veracidades comprovada em muitos dos escritos!!
-que de alguma forma de vida inteligente: se resultou naquele q demonstrou pela escrita na natureza: uma teodiceia natural!
que mostra o homem como o q domina como forma de ser inteligente! demonstrando a propria image de um ser superior né!! a image que representa do divino!!!!!!!como não só mostrada na natureza! mas é tambem a muito já escrita ,e testemunhada naquele q veio em forma de ser perfeito, como exemplo do humano tambem : mostrou ser representante divino como homem: encarnado na pessoa de JESUS CRIST. tambem seira dificil pra mim nao crer nesa teodiceia natural; quando ele mesmo se mostrou vivo a mim na sua escritura milagrosa!!

Carlos Ramos disse...

Legal o artigo, só não me sinto bem a respeito da definição de "religião" e "deus pessoal" e "cientistas cristãos".

Há uma confusão muito grande e generalizada (intencional?) entre religião (e tudo que provém disto) e a perspectiva não-materialista das causas de formação do universo.
Os críticos do "acaso cego" não precisam ser religiosas, nem feitas por cristãos, tampouco ateus: pois para ser ateu é necessária "fé cega" no "nada", pois os argumentos para embasar certezas são todos muito incompletos e pouco robustos...

A física quântica até o momento, a meu ver, dá as saídas mais convincentes e honestas... menos "canônicas".

Nas ciências humanas... predominantemente (e atualmente) tem fé demais para meu gosto...
Fé canônica em Kant.. Hegel.. Marx..Freud.

A religião (materialista ou a convencional) continuam sendo ópios com público certo.

Related Posts with Thumbnails

'