21/01/09

TELEVISÃO – COMO INFLUENCIA A SUA VIDA?



SE ALGUÉM lhe oferecesse um milhão de dólares para deixar de ver televisão pelo resto da vida, você aceitaria? Alguns anos atrás, 1 em cada 4 americanos entrevistados disse que não. Numa outra entrevista, perguntou-se a vários homens o que mais desejavam na vida. Apesar de a maioria ter mencionado que queria paz e felicidade, isso vinha em segundo lugar na lista. O que eles mais queriam era uma televisão de tela grande!


A televisão é muito popular em todo o mundo. Em 1931, quando ela estava no seu início, o presidente da Radio Corporation of America disse: “Quando a televisão atingir seu pleno potencial, podemos razoavelmente esperar que o número de audiência chegue a ser o mesmo da população da Terra.” Essas palavras podem ter parecido irrealistas naquela época, mas atualmente não são. Estima-se que o número de televisores em todo o mundo seja de 1,5 bilhão, e o número de pessoas que vê televisão é muito maior. Opiniões à parte, o fato é que a TV desempenha um papel importante na vida das pessoas.


O tempo que muitos dedicam à TV é surpreendente. Um estudo recente feito no mundo inteiro mostrou que, em média, as pessoas gastam um pouco mais de três horas por dia vendo televisão. Os norte-americanos gastam quatro horas e meia na frente do televisor todos os dias, e os japoneses encabeçam a lista com cinco horas por dia. Essas horas vão se acumulando. Se gastarmos quatro horas por dia vendo televisão, quando chegarmos aos 60 anos teremos gasto dez anos na frente dela. No entanto, nenhum de nós gostaria que se gravasse na nossa lápide: “Aqui jaz nosso amado amigo, que passou um sexto de sua vida vendo televisão.”


As pessoas passam horas na frente da TV, mas será que é porque gostam disso? Não necessariamente. Muitos acham que gastam tempo demais vendo televisão e se sentem culpados por não terem usado seu tempo de forma mais produtiva. Alguns dizem que estão “viciados em TV”. É claro que ninguém fica viciado em TV da mesma maneira que uma pessoa fica viciada em drogas. Ainda assim há semelhanças. Quem é viciado dedica muito tempo à droga que usa. Embora queira reduzir esse tempo ou abandonar o vício, não consegue fazer isso. Sacrifica importantes atividades sociais e familiares para se drogar, e sofre sintomas de abstinência quando pára de tomar drogas. Todos esses sintomas podem ocorrer com pessoas que gastam muito tempo vendo televisão.


“Comer mel demais não é bom”, escreveu o sábio Rei Salomão. (Provérbios 25:27) O mesmo princípio se aplica a ver televisão. Embora ela exiba muitas coisas que vale a pena ver, passar tempo demais na frente da TV pode roubar tempo que poderia ser gasto com a família, prejudicar a leitura e o desempenho escolar das crianças, e é um dos fatores relacionados à obesidade. Se você investe muito tempo vendo televisão, seria bom perguntar a si mesmo o que está lucrando com isso. O nosso tempo é precioso demais para ser desperdiçado. Também seria bom analisar o que vemos na TV.


A TELEVISÃO pode ser uma poderosa ferramenta de ensino. Com ela aprendemos sobre terras e povos que talvez nunca visitemos. Nós “viajamos” para selvas tropicais e para regiões gélidas nos pólos, para picos montanhosos e para as profundezas dos oceanos. Examinamos os mundos intrigantes tanto dos átomos como das estrelas. Vemos as notícias ao vivo, acontecendo do outro lado do globo. Recebemos informações sobre política, História, eventos atuais e cultura. A televisão mostra tanto as tragédias como os sucessos na vida das pessoas. Ela nos diverte, instrui e influencia.


Muitas das coisas que a televisão mostra, porém, não são nem benéficas nem educativas. É bem provável que as críticas mais intensas venham daqueles que são contra a exibição farta e explícita de violência e sexo na TV. Um estudo nos Estados Unidos, por exemplo, descobriu que praticamente 2 de cada 3 programas de TV contêm cenas de violência, numa proporção de cerca de seis por hora. Quando um jovem se tornar adulto, ele já terá assistido a milhares de cenas de atos violentos e assassinatos. Também, programas com teor sexual são freqüentes. Dois terços de todos os programas de TV incluem conversa sobre sexo, e 35% incluem comportamentos sexuais que costumam ser apresentados como inofensivos e espontâneos, além de envolverem pessoas não casadas.*


No mundo inteiro há uma enorme procura por programas que apresentam sexo e violência. Filmes americanos de ação, que mais tarde passam na TV, conseguem entrar com facilidade em mercados internacionais. Eles não precisam necessariamente que os atores representem bem nem de uma história muito inteligente. São fáceis de entender e contam com brigas, mortes, efeitos especiais e sexo para prender a atenção do espectador. No entanto, para manter esse interesse por mais tempo, eles precisam inovar. As pessoas se cansam rapidamente de ver as mesmas coisas; o que é sensacional se torna banal. Para manter a audiência, os produtores chegam a extremos ainda maiores, que visam chocar e estimular as pessoas. Fazem isso por incluir mais cenas de violência e por tornar o conteúdo cada vez mais explícito, sexual e sádico.


DEBATE SOBRE O IMPACTO DA TV


De que maneira os espectadores são afetados pela constante exposição à violência e sexo na TV? Os críticos dizem que a violência na TV faz com que as pessoas ajam de forma agressiva e tenham menos empatia para com as vítimas de violência na vida real. Também afirmam que a exibição de sexo promove a promiscuidade e mina os padrões morais.


Ver TV contribui realmente para que essas coisas aconteçam? Essa questão tem sido tema de intenso debate há décadas; centenas de estudos e milhares de livros e artigos têm tratado do assunto. O ponto central do debate é a dificuldade de provar que uma coisa leva à outra — por exemplo, que a exposição à violência na TV desde a infância leva à agressividade física anos mais tarde. Às vezes, é difícil provar uma relação de causa e efeito. Para ilustrar: imagine que você toma um medicamento pela primeira vez e poucas horas depois começa a sentir irritação na pele. Numa situação dessas, é fácil concluir que o medicamento provocou essa reação alérgica. No entanto, às vezes, uma alergia evolui gradualmente. Quando isso acontece, é muito mais difícil associar a reação alérgica àquele remédio específico visto que as alergias podem ter várias causas.


Da mesma forma, tem sido difícil provar que a violência exibida na televisão leva a crimes e a comportamentos anti-sociais. Mas muitos estudos sugerem que, de fato, há uma relação entre eles. Além disso, alguns criminosos disseram que as suas atitudes e comportamento violento foram influenciados pelo que viram na TV. Por outro lado, as pessoas estão expostas a muitas influências na vida. Videogames violentos, valores sociais de amigos e familiares, condições de vida em geral — todos esses fatores também podem contribuir para comportamentos agressivos.


Portanto, não é de surpreender que haja pontos de vista conflitantes sobre este assunto. Um psicólogo canadense escreveu: “As evidências científicas simplesmente não provam que ver violência faz com que as pessoas se tornem violentas ou insensíveis a ela.” Todavia, a Comissão de Mídia e Sociedade da Associação Americana de Psicologia disse: “Não há absolutamente nenhuma dúvida de que ver muita violência na TV leva a uma maior aceitação de atitudes violentas e ao aumento de comportamentos agressivos.”


A TELEVISÃO E AS CRIANÇAS


“De acordo com a crescente evidência de estudos feitos durante várias décadas, as comunidades científicas e de saúde pública chegaram à conclusão quase unânime de que ver violência na TV é potencialmente prejudicial às crianças.”— Fundação Henry J. Kaiser Family.


“[Concordamos com] a Academia Americana de Pediatria que ‘crianças de dois anos de idade para baixo não deveriam [ver televisão]’. Visto que essas crianças estão passando por um tremendo desenvolvimento cerebral, precisam brincar e interagir com pessoas reais para promover suas capacidades de desenvolvimento e suas habilidades físicas e sociais.” — Instituto Nacional sobre Mídia e Família.


Lembre-se que os especialistas estão debatendo as provas, ou seja, se é possível provar que ver coisas agressivas provoca agressividade. Poucas pessoas, porém, alegariam que a televisão não tem nenhuma influência sobre o nosso modo de pensar ou o nosso comportamento. Pense no seguinte: uma simples fotografia pode fazer com que sintamos raiva, tristeza ou alegria. A música também afeta profundamente as nossas emoções. As palavras, mesmo na página impressa, influenciam nossos pensamentos, sentimentos e ações. Então, imagine o poder que há na combinação habilidosa de imagens, música e de palavras faladas! Não é de admirar que a TV atraia tanto as pessoas. E ela é tão fácil de se obter! Um escritor diz: “Desde que o homem aprendeu a expor suas idéias por escrito . . . nunca houve uma nova técnica de transmissão de idéias que tenha tido um impacto tão forte na civilização como a TV.”


Empresas gastam bilhões de dólares em propaganda cada ano porque sabem que o público é influenciado pelo que vê e ouve. Os empresários não gastam todo esse dinheiro pensando que talvez dê certo. Eles sabem que vai dar certo. A propaganda vende seus produtos. Em 2004, a empresa Coca-Cola gastou 2,2 bilhões de dólares em anúncios publicitários impressos, no rádio e na televisão, no mundo inteiro. Valeu a pena esse investimento? A empresa faturou cerca de 22 bilhões de dólares só naquele ano. Os publicitários sabem que uma propaganda isolada talvez não influencie o público. Por isso, eles contam com o impacto cumulativo de vários anos de doutrinação.


Se anúncios publicitários de 30 segundos influenciam nossas atitudes e nosso comportamento, podemos ter certeza de que ver TV durante horas também vai nos afetar. “Por trás do entretenimento mais rotineiro ou trivial”, diz o autor deTelevision—An International History(História Internacional da Televisão), “o meio de comunicação trabalha como se fosse um sutil instrutor”. O livro A Pictorial History of Television (História Ilustrada da Televisão) diz: “A televisão está mudando o modo comopensamos.” A pergunta que devemos fazer a nós mesmos é: ‘Será que aquilo que vejo na TV afeta meu modo de pensar da maneira que eu quero?’


Se o seu médico receitasse um remédio forte, é provável que você analisasse os benefícios e os riscos envolvidos. Tomar o medicamento errado — ou até tomar o medicamento certo, mas em excesso — pode prejudicar a sua saúde. O mesmo pode ser dito em relação à TV. Assim, é sensato pensar seriamente sobre o que vemos na televisão.


“A televisão é uma invenção que permite que você se divirta na sua sala com pessoas que não convidaria para entrar em sua casa.”— David Frost, apresentador britânico



PROGRAME O QUE VAI VER NA TV.


É claro que há muitos bons programas que vale a pena ver. Em vez de ficar mudando de canal o tempo todo ou vendo qualquer coisa que estiver passando, consulte a programação antecipadamente e selecione os programas que deseja ver. Ligue a TV na hora em que o programa escolhido começar e desligue-a quando ele acabar. Ou, então, em vez de assistir ao programa na hora em que for transmitido, você pode gravá-lo para ver depois. Isso permitirá assistir ao programa numa hora mais conveniente e poderá também passar os comerciais para a frente.



Publicada em Despertai de outubro de 2006

2 comentários:

Honestino Afonso Xavier disse...

parabéns pelo texto.. bem formatado e embasado...

minha opinião é que é uma grande complexidade para analizar todos os fatos, e provar que "uma coisa leva a outra" como esta no texto..

que programs de violência e sexo, levam a aumentar o os niveis afins.. hoje em dia... a televisão AINDA faz este papel.. de divulgadora de várias situções que conturbam a mente humana.. Lógico não desmereçendo esta grande ferramenta que deve ser usada para fins de cultura, educação e uitilidade pública.etc..

também a famiia. .contribui, uma familia desistruturada com certeza vai agravar o quadro... quer dizer pode fazer ele estourar, chegar no vível máximo, a familia deve coibir o que os jovens assitem, uma pena.. chegar neste nível, mas como esta escrito Num grande livro.. " TUDO NOS É PERMITIDO, MA NEM TUDO A NÓS CONVÉN."

muitas pessoas dizem, que os filhos aprendem na rua, é um fato real, todos nós somos influenciados na rua, mas a educação do que é certo ou errado, do que é bom ou é ruim é dentro de casa, isto também é fato..

mas voltando ao assunto, oque esta sendo hoje em dia.. a grande divulgadora de todas as situções.. que se pode pensar e produzir a mente humana é a internet...

outra valiosissima, ferramenta.. .agora a pergunta seria.. .vc aceitaria 10 milhoes de dolares para passarem o resto da vida sem usar a internet...

nem para negócios, ( praticamente impossivel) etc etc etc..

O certo é que a televisão e qualquer outro meio de divulgação que chegue dentro de nossas casas, ou em particular aos nossos olhos, vão nos influenciar.. acho que não dar audiência a estes programs com certeza vão tira-los fora do ar..

como já foi dito em seu texto, todos as situações.. que acontecem lógico, mas que são passadas, por exemplo no inicio da tarde e sabe lá que horas acaba na noite.. as vezes vira a madrugadas, divulgando, violencia, cenas de promiscuidade como se fosse a coias mais natural, mesmo para situçãoes de matrimonios, como se diz hoje no mercado.. as espertizes do mundo, não é mais corrupção agora mudou de novo .. tudo isso é colocado de forma.. a levar a todos a acreditarem que o mundo é isso ai que vem dentro de suas casas pela janela virtual..

não critico a internet nem a televisão mas seus detentores da programação... e a nós que damos audiência para todas estas programações..

milton toshiba disse...

Eu não trocaria. TV aberta ainda é o entreterimento mais barato para a população.

As TVs por assinatura desbancado as locadoras de DVDs.

abs

Related Posts with Thumbnails

'